Epilepsia

EPILEPSIA - PRETOSeminário apresentado pelos acadêmicos Camila A.P. de Oliveira e Bruno H.M. Pizoletto na SOCINEURO para capacitação de alunos  da Famema postulantes a ingresso na SOCIDOR.

A epilepsia é um distúrbio cerebral que envolve convulsões espontâneas e repetidas.

As convulsões (“ataques”) são episódios de perturbação da função cerebral que causa alterações na atenção e no comportamento.

São causadas por sinais elétricos anormalmente excitados no cérebro.

Algumas vezes a convulsão está relacionada a uma condição temporária, como exposição às drogas, abstinência de algumas drogas, febre alta ou níveis anormais de sódio ou glicose no sangue.

Se as convulsões não se repetirem uma vez que tenha sido corrigido a causa clínica subjacente, a pessoa não tem epilepsia necessariamente.

Em outros casos, danos cerebrais permanentes ou alterações no tecido cerebral podem tornar o cérebro anormalmente excitável.

Nesses casos, as convulsões acontecem sem uma causa imediata.

Isso é epilepsia.

A epilepsia pode afetar pessoas de qualquer idade.

A epilepsia pode ser idiopática, o que significa que a causa não pode ser identificada. Essas convulsões geralmente começam entre os 5 e 20 anos, mas podem acontecer em qualquer idade. As pessoas com essa doença não têm outros problemas neurológicos, mas às vezes têm um histórico familiar de convulsões ou epilepsia.

Quando não é idiopática, a epilepsia é chamada de secundária:

  • AVC ou ataque isquêmico transitório (AIT)
  • Doenças que provocam a deterioração do cérebro
  • Demência, como a doença de Alzheimer
  • Lesão cerebral traumática
  • Infecções (incluindo abscesso cerebral, meningite, encefalite, neurosífilis e AIDS)
  • Lesões presentes antes do nascimento (defeitos cerebrais congênitos)
  • Lesões próximas ao momento do nascimento (nesse caso, as convulsões começam na primeira infância)
  • Insuficiência renal ou insuficiência hepática
  • Doenças metabólicas que as crianças podem ter desde o nascimento (como fenilcetonúria)
  • Tumores ou outras lesões estruturais do cérebro (como hematomas ou vasos sanguíneos anormais)

O Ambulatório de Cefaleia recebe encaminhamentos de usuários do SUS pelo Departamento Regional de Saúde IX do Estado de São Paulo.

Lutemos por uma Saúde Pública com qualidade !

Em defesa do SUS !

CRISE PARCIAL E GENERALIZADA

Cefaleias Primárias

cefaleia - camiisa brancaSeminário sobre Cefaleias Primárias apresentada pelo Dr. Leonardo Medeiros no Ambulatório de Cefaleia – Ambulatório Mario Covas – disciplinas Neurologia e Educação em Ciências da Saúde no ano de 2010.

A cefaleia é um sintoma universal no ser humano.

Estima-se que 90 a 100% das pessoas terão algum tipo de dor de cabeça ao longo da vida.

As cefaleias são divididas em primárias e secundárias.

As cefaleias primárias mais comuns são: enxaqueca, cefaleia de tensão, cefaleia em salvas.

Outras formas menos comuns de cefaleia primaria incluem a hemicrania continua, a cefaleia nova diária e persistente, cefaleia do esforço, cefaleia da tosse, cefaleia por estímulo frio, hemicrania paroxística crônica.

Cefaleias secundárias são aquelas causadas por alguma outra doença, tal como tumores cerebrais, traumatismo craniano, meningites, acidente vascular cerebral , hidrocefalia, e aneurismas.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) apontou a enxaqueca como a quarta doença crônica mais incapacitante no mundo, atrás apenas da tetraplegia, psicose e demência.

Calcula-se que nos Estados Unidos, o governo calcula perder US$ 12 milhões por ano com funcionários que faltam ao trabalho por causa da patologia.

Quanto à prevalência da enxaqueca, ataca mais as mulheres do que os homens: estudos mostram que de 15% a 18% das mulheres e 6% dos homens apresentam sintomas característicos da doença.

Na população em geral, a incidência atinge 11%.

E, embora o primeiro ataque possa acontecer até na velhice, o mais comum é surgir já na adolescência.

A enxaqueca é uma cefaleia benigna, isto é, não está relacionada a tumores ou outras moléstias graves.

Na crise, o paciente pode sentir intolerância à luz e barulhos ou cheiros, náuseas e ou vômito e tonturas.

A dor é pulsátil ou latejante, ocorrendo de um lado da cabeça, ou alternando de um lado para outro durante os episódios. A duração vai de 4 a 72 horas e costuma piorar com esforço físico e melhorar com repouso e sono.

Algumas pessoas podem sofrer com perturbações visuais (enxergar pontos luminosos) ou formigamentos em alguma parte do corpo.

A Sociedade Internacional de Cefaleia reconhece mais de 150 modalidades de dor de cabeça, e a enxaqueca é uma delas.

Trata-se de uma doença transmitida por meio de genes, que pode ou não causar crises de dor de cabeça, ou seja, o indivíduo pode ter  enxaqueca sem apresentar dor.

Em cerca de 15% dos casos, o quadro de dor é precedido por uma aura premonitória que envolve sinais neurológicos ,como as alterações visuais.

Para caracterizar a enxaqueca e ter certeza do diagnóstico, é necessário apresentar mais de dois dos sintomas: dor unilateral, dor de intensidade média ou forte, latejamento e piora com a movimentação; e um dentre os sinais náusea ou vômito, fotofobia (sensibilidade à luz) e fonofobia (desconforto provocado por sons) e ou osmofobia (intolerância a cheiros).

O diagnóstico é feito em consultório, com levantamento de dados do histórico e exame neurológico normal.

Acredita-se que, em média, 2/3 dos portadores que recebem tratamento preventivo se beneficiam com redução de 50% no número de ataques.

Tratamento em duas colunas: podemos usar medicamentos como neuromoduladores, tais como antidepressivos tricíclicos, anticonvulsivantes e antagonistas de cálcio.

Por fim, na hora de cuidar da crise propriamente dita, o médico pode utilizar triptanos  ou anti-inflamatórios combinado com analgésicos.

O Ambulatório de  Cefaleia recebe encaminhamentos de usuários do SUS  do Departamento Regional de Saúde IX do Estado de São Paulo.

Lutemos por uma Saúde Pública de qualidade !

Cefaleias Primárias

cefaleia - ladoSeminário apresentado pela acadêmica Mariana Dioníso – 4º ano de medicina da Famema abordando  a Classificação das Cefaleias Primárias  –  Ambulatório de Cefaleia – Ambulatório Mário Covas – disciplinas Neurologia e Educação em Ciências da Saúde.

Nesse seminário há a abordagem da classificação das cefaleias com enfoque nas cefaleias primárias: enxaqueca, cefaleia tensional e cefaleia em salvas.

As cefaleias primárias são muito frequentes no Ambulatório de Neurologia, e queixa frequente na rede de atenção básica de saúde, Unidade Básica de Saúde (UBS), e Unidade de Saúde da Família (USF).

Os novos fármacos lançados no mercado pela indústria farmacológica têm modificado a história natural das cefaleias primárias.

1. Cefaleias Tipo Tensão

Neste tipo de dores de cabeça, o doente tem episódios recorrentes de cefaleia que podem durar de 30 minutos a semanas. A dor é tipicamente bilateral, com caráter em pressão ou aperto, de intensidade fraca a moderada, não piora com atividade física de rotina e não há náuseas ou vômitos. Os doentes podem descrever a dor como sendo semelhante à que ocorre com o uso de uma fita apertada em volta da cabeça. Verifica-se por vezes uma hipersensibilidade considerável dos músculos do crânio, mandíbula e pescoço, facilmente perceptível através da palpação manual.

A Classificação Internacional de Cefaleias classifica as cefaleias tipo tensão em episódica pouco frequente, episódica frequente e crônica, mediante a frequência das crises. Apesar desta ser a cefaleia primária mais comum e com levado impacto sócio-econômico, a sua causa não está ainda bem esclarecida. podendo dever-se a tensão física (contração muscular ), a tensão psíquica (ansiedade prolongada), ou a ambas.

No tratamento são usadas medidas não farmacológicas e farmacológicas mas, em primeiro lugar, é importante identificar os fatores desencadeantes e agravantes, como por exemplo perturbações do ritmo do sono e ansiedade prolongada, tentando eliminá-los.

Medidas não farmacológicas

  1. Deve ser incentivada a terapêutica ergonômica, assente na correção de postura no local de trabalho e na utilização de mesas e assento adequados.
  2. A fisioterapia está indicada sempre que coexistam perturbações ósteo-articulares ou músculo-esqueléticas com fatores desencadeantes ou agravantes da cefaleia.
  3. As técnicas de relaxamento e o biofeedback conseguem uma melhoria em cerca de 50% dos casos, sobretudo quando associadas. A acupuntura parece aumentar o limiar da dor, mas o seu efeito é de curta duração.
  4. As técnicas cognitivo-comportamentais são indicadas quando coexiste depressão, ansiedade ou nas situações em que o stress e os problemas psicológicos (profissionais, familiares e/ou sociais) sejam os principais desencadeantes das cefaleias.

Medidas farmacológicas
Tratamento sintomático
Os analgésicos simples e os anti-inflamatórios não esteróides (AINE) estão indicados no tratamento dos episódios agudos; todavia não devem ser utilizados mais de 2 vezes por semana. Os relaxantes musculares podem também ser utilizados em tratamentos curtos. Sempre que o número de episódios ultrapasse 15 dias por mês, deve ponderar-se um tratamento preventivo, de modo a evitar um abuso de analgésicos.

Tratamento Preventivo
A terapêutica é baseada na utilização dos antidepressivos clássicos (triciclos) que têm uma ação analgésica independente da anti depressiva, podendo assim ser utilizados em doses pequenas. Os anti depressivos mais recentes, constituem outra opção a considerar. Mais recentemente, e nos casos resistentes às outras medidas, tem sido utilizada a Toxina Botulínica.

2. Cefaleias Trigêmino-Autonômicas (CTA)

Este grupo de cefaleias primárias inclui três subgrupos:

A) Cefaleia em salvas
B) Hemicrania paroxística (HP)
C) Cefaleia unilateral nevralgiforme, de curta duração com injecção conjuntival e lacrimeja mento (SUNCT)

As cefaleias trigêmino-autonômicas (CTA) têm em comum os seguintes fatores: crises com duração de segundos a horas, são unilaterais, têm localização orbitária, supraorbitária ou temporal, são de severidade grave e têm sintomas típicos acompanhantes – olho vermelho, lacrimejamento, congestão nasal e sudorese. Ocorrem geralmente em séries (salvas) que duram semanas ou meses, separados por períodos de melhoria que vão de meses a anos.

É importante sublinhar que quando ocorre pela primeira vez uma cefaleia com características de CTA devem ser excluídas outras causas (malformação vascular craniana, nevralgia do trigêmio, tumor intra craniano), o que requer um exame neurológico apurado e exames de imagem.

Cefaleias em salvas
Geralmente iniciam-se entre os 20 e os 40 anos, sendo a prevalência três a quatro vezes maior em homens, por razões desconhecidas. Nas crises mais fortes, o doente é geralmente incapaz de se deitar e caracteristicamente fica a andar de um lado para o outro.

Hemicrania paroxística (HP)
Surge habitualmente na segunda década e atinge predominantemente o sexo feminino. Os doentes, ao contrário do que se observa na cefaleia em salvas, preferem estar quietos, com a cabeça entre as mãos ou no leito.

Cefaleia unilateral nevralgiforme, de curta duração com injeção conjuntival e lacrimejamento (SUNCT)
Atinge sobretudo os homens. O quadro clínico pode ser mimetizado por lesões que envolvem a hipófise ou a zona posterior do cérebro, razão pela qual deve ser efetuado exame de imagem.

CTA Duração da crise Frequência Distribuição por sexo
Cefaleia em salvas De 15 a 180 minutos De 1 cada 2 dias a 8/dia > Sexo masculino
HP De 2 a 30 minutos > 5 por dia > Sexo feminino
SUNCT De 5 a 240 segundos 3-200/dia > Sexo masculino

 

TRATAMENTO

Cefaleia em Salvas
No tratamento sintomático das crises podem ser utilizados vários agentes terapêuticos: oxigenoterapia, com a administração do oxigênio por máscara por um período de 20 minutos seguido de 5 minutos de descanso, repetindo a administração se necessário; triptanos intra nasais ou em injeção subcutânea (contraindicado nos doentes com hipertensão mal controlada, infarto do miocárdio ou patologia vascular cerebral prévia); lidocaína (substância anestésica) em gotas por via intra nasal e ainda corticosteróides em casos mais complicados.

No tratamento preventivo os fármacos mais utilizados são verapamil e carbonato de lítio.

Verapamil é um fármaco muito utilizado em Cardiologia, razão pelo qual o doente deverá efetuar controle da tensão arterial, pulso e eletrocardiograma ao longo do tratamento, já que o fármaco pode diminuir a condução cardíaca, a pressão arterial e a frequência cardíaca.

O Carbonato de lítio é um fármaco utilizado em psiquiatria, mas a dose utilizado nos doentes com cefaleias em salvas é inferior à utilizada em psiquiatria. O efeito adverso principal é o hipotiroidismo.

Vários fármacos antiepilépticos têm também sido utilizados no tratamento preventivo (ácido valpróico).

Nos casos refratários à terapêutica médica, pode ser efetuado o bloqueio anestésico do nervo grande occipital. Nos últimos tempos, tem vindo a ser utilizada a neuroestimulação hipotalâmica, a qual é uma técnica neurocirúrgica.

Hemicrânia paroxística

O tratamento deve ser feito com indometacina (anti-inflamatório não esteróide), medicamento de eleição, já que é mesmo requisito para o diagnóstico a resposta favorável ao fármaco. A duração do tratamento deve ser prolongada para além da fase dolorosa.

Cefaleia unilateral nevralgiforme, de curta duração com injeção conjuntival e lacrimejamento (SUNCT)

É considerada a cefaleia mais resistente ao tratamento, frequentemente refratária à maioria dos fármacos. Recentemente, têm surgido estudos que apontam para a utilização de lamotrigina (um novo agente antiepiléptico) como o fármaco mais apropriado, por ter causado uma remissão parcial ou completa na maioria dos casos.

O Ambulatório de Cefaleia recebe encaminhamento de usuários SUS pelo Departamento Regional de Saúde IX do Estado de São Paulo.

Lutemos por uma Saúde Pública com qualidade !

cefaleia azul

Cefaléia Tensional

cefaleia oculosSeminário de Cefaleia Tensional apresentado pelo acadêmico Mateus Mantovani – 4º ano do curso de medicina da Famema – Ambulatório de Cefaleia –  Ambulatório Mario Covas – disciplinas de Neurologia e Educação em Ciências da Saúde no ano de 2010.

As cefaleias tensionais manifestam-se geralmente de manhã ou às primeiras horas da tarde e pioram ao longo do dia.

Muitas vezes, sente-se uma dor mantida e moderada sobre os olhos ou a nuca, ou então uma sensação de pressão forte (como uma fita apertada à volta da cabeça), que pode acompanhar a dor.

A dor pode abranger toda a cabeça e por vezes irradiar para a região cervical.

Para distinguir as cefaleias tensionais das perturbações mais graves, o médico tem em conta a duração da dor e como o doente a descreve quanto à sua localização, o que a provoca e o que a alivia, e se está associada a outros sintomas, como enjoo, fraqueza, perturbações sensitivas ou inclusive febre.

A dor de cabeça de aparecimento recente que acorda a pessoa, e é invulgarmente aguda, contínua, que aparece a seguir a um traumatismo craniano, ou coincide com outros sintomas como formigueiro, debilidade, falta de coordenação, alterações da visão ou desmaios, é muito provável que não seja uma cefaleia tensional.

Nessa situação aguda provavelmente a causa seja um processo clínico grave que exija uma avaliação pelo médico o mais cedo possível.

O Ambulatório de Cefaleia recebe encaminhamentos do Departamento Regional de Saúde  IX do Estado de São Paulo.

Lutemos por uma Saúde Pública com qualidade !

Pavão misterioso. Pássaro formoso.Tudo é mistério. Nesse teu voar…

Pavão misterioso
Pássaro formoso
Tudo é mistério
Nesse teu voar
Ai se eu corresse assim
Tantos céus assim
Muita história
Eu tinha prá contar…

Pavão misterioso
Nessa cauda
Aberta em leque
Me guarda moleque
De eterno brincar
Me poupa do vexame
De morrer tão moço
Muita coisa ainda
Quero olhar…

Pavão misterioso
Pássaro formoso
Tudo é mistério
Nesse seu voar
Ai se eu corresse assim
Tantos céus assim
Muita história
Eu tinha prá contar…

Pavão misterioso
Pássaro formoso
No escuro dessa noite
Me ajuda, cantar
Derrama essas faíscas
Despeja esse trovão
Desmancha isso tudo, oh!
Que não é certo não…

Pavão misterioso
Pássaro formoso
Um conde raivoso
Não tarda a chegar
Não temas minha donzela
Nossa sorte nessa guerra
Eles são muitos
Mas não podem voar…

A música “Pavão MIsterioso” foi composta pelo cearense Ednardo em 1974, e incluída na trilha sonora da novela “Saramandaia” (1976), da TV Globo.

A canção foi um tremendo sucesso nos anos 70.

Por sua vez, a  novela Saramandaia foi inspirada na obra de José Camelo de Melo Resende.

Narra a história da Condessa Creuza, a moça mais bonita da Grécia, conservada pelo pai e trancada desde a infância no mais alto quarto de um sobrado.

Uma vez por ano, a moça aparece por uma hora ao povo, que vem de longe, só para contemplar a sua beleza.

Um retrato dela chega até a Turquia, onde mora Evangelista, que se apaixona pela jovem.

Dirigindo-se à Grécia, Evangelista  encomenda a um engenheiro um mecanismo alado – o Pavão Misterioso  – a bordo do qual consegue chegar até o quarto da moça, raptando-a, depois de vários perigos e dificuldades.

O Romance do Pavão Misterioso, obra de José Camelo de Melo Resende (1885-1964), já foi adaptado para o teatro, cinema, literatura, música e televisão, e já alcançou a espantosa tiragem de mais de dez milhões de cópias, vendidas em todo o País.

Pois bem…

Ao entrar em meu local de trabalho me deparo com um docente que me lembra o Pavão Misterioso.

Bem misterioso, e sempre com muitas histórias contadas aos seus pares.

Formoso em seu vestir, e com raciocínio lógico com velocidade da luz.

A lógica aristotélica que poucos têm.

Um exemplo de profissionalismo.

Muito cordial e educado com seus pares.

Mesmo fora do local de trabalho.

Em qualquer ambiente sempre uma saudação fraternal.

Dedicado em suas tutorias, e sempre estimulando a busca ativa dos alunos, pois é defensor ufanista do modelo PBL da Famema.

Nossa homenagem ao  docente de Farmacologia Carlos  Alberto Lazarini.

Um Pavão Misterioso com P maiúsculo !

Dirceu Bendito Marchioli não vem pagando a pensão alimentícia para sua mãe em Marília.

dirceu benedito marchioli- 14-07-2008O  radialista Dirceu Benedito Marchioli, codinome Dirceu Maravilha (foto à esquerda), não vem depositando a pensão alimentícia para sua mãe Emilia Sanches Marchioli.

Emilia Sanches Marchioli mora na cidade de Marília, Estado de São Paulo.

O  mesmo está desempregado na mídia brasileira, já que foi detido embriagado na noite paulistana em 2008, quando era empregado na Rádio Record de São Paulo.

Recusou-se a fazer o teste do bafômetro, o qual detecta o nível de álcool expirado em nível alveolar, em blitz realizada pela Policia Militar de São Paulo.

Fugiu da blitz, mas foi alcançado, após ter passado por vários faróis vermelhos.

Uma situação que envergonha a família Marchioli na cidade de Marília.

Alcoolista crônico, e frequentador assíduo de boates, inclusive de striptease na noite paulistana, e principalmente de noites de carnaval regadas a lança-perfumes, a situação não foi nenhuma novidade para quem o conhece na realidade do dia a dia, e não apenas de narrações esportivas, e de programas de TV.

Soberbo, arrogante, calculista, materialista, despreza sua família na cidade de Marília, notadamente com a fraude de ação de prestação de contas em face de seus genitores Emilia Sanches Marchioli e Silvio Marchioli, o último já falecido em 1993.

Quando Silvio Marchioli foi operado em 1989 na cidade de Ribeirão Preto, Hospital das Clínicas, por apresentar neoplasia maligna, o mesmo preferiu ir passear na praia do Guarujá com sua namorada Dalva Ullerick.

Uma falta de comprometimento total com seu pai em estado crítico de saúde.

É na verdade um fanfarrão !

Com  morte do seu pai em 1993, logo após a cirurgia, o radialista deveria transferir sua quota-parte da empresa Organização Ipanema Ltda criada em 1997 juntamente com seu pai para sua mãe [casada com comunhão universal de bens], e para seu irmão, que passaria a ser herdeiro dessa quota-parte.

Mas o que fez o nobre radialista ?

Não fez o arrolamento de bens e o início do inventário em 1993, mas ardilosamente, em 1995, transferiu a quota-parte de seu pai falecido, totalmente para si, e não transferiu nem para sua mãe, e nem para seu irmão, herdeiro natural com a morte de seu pai.

Uma canalhice sem precedentes.

Uma fraude no inventário !

Lesar mãe e o herdeiro é sem precedentes para narradores esportivos no Brasil !

Além, disso se comprometeu em 2005, após Ação de Reintegração de Posse em face de Emilia Sanches Marchioli e de seu irmão [imóvel da família Marchioli, mas que estava no nome do radialista, visto que não punha nenhum imóvel em nome do seu pai, ou de sua mãe, enquanto a empresa esteve aberta de 1997 a1995, e obviamente já pensando em ficar com tudo com a morte de seus genitores], teve que despejar sua mãe na cidade de Marília, e seu irmão, visto que ambos questionam na justiça a transferência irregular da quota-parte.

Dirceu Maravilha, ou semelhante ao personagem sociopata Coringa do filme Batmam retaliou, e  inacreditavelmente, despejou os dois do imóvel situado na Rua 09 de Julho, 727, na cidade de Marília.

Na audiência [por meio do seu advogado, pois covardemente não apareceu], se comprometeu a depositar 1.83 salários mínimos/mês para sua mãe, mas nada de depósito vem sendo feito !

Estranho, pois alardeia que tem carro Hylux, casa na praia, apartamentos no litoral, mansão em São Paulo, mas deixa sua  mãe sem o pagamento da pensão alimentícia que se obrigou na sentença de reintegração de posse.

Pasmem…

Ação de Reintegração de Posse em face da sua mãe!

É uma ardilosidade incomensurável !

Lamentável senhor Dirceu Benedito Marchioli, codinome Dirceu Maravilha !

O radialista gosta de ser bajulado, e de bajular quem tem dinheiro.

A Rádio Record  o impediu de seguir à frente das narrações esportivas em 2008, visto que não quis associar a imagem de sua emissora com alcoolistas, e desrespeitadores das ordens emanadas pelos policias militares em serviço.

Um sociopata desempregado, mas que logo iniciará outro ciclo em outra empresa de rádio, até ser descoberto de sua desordens mentais.

Vai bajular alguém até conseguir um outro empregado.

No máximo uma FM.

Rádio Globo, Rádio Bandeirantes, Rádio Transamérica, Rádio Jovem Pan não querem o soberbo e arrogante!

Seu mundo de fantasia de glamour e luxo estão com os dias contados, e, ainda mais, abandonar sua mãe materialmente e afetivamente é sociopatia senhor radialista, ou conhecido pelo alcunha de “Maravilha”!

Maravilha em quê ?

Seria em expertise na  canalhice com a família !

Alguém tem explicação a essa charada enigmática em despejar a mãe,  enganar no inventário e não pagar a pensão alimentícia ?

Nem o sociopata personagem Coringa dos filmes do Batman tem explicação de alguém que abandona sua própria mãe afetivamente e materialmente !

Quem explica essa atitude sociopata ?

Somente o Coringa da mídia do Brasil !

O Coringa - close

Médico e advogado. Professor universitário. Um blog de um ultraliberal sem medo de polêmica ou da censura da esquerda “politicamente correta”, que analisa os principais acontecimentos do país com independência, focando em saúde, economia, política e direito. Mora em Curitiba- Estado do Paraná.