PBL nas faculdades de medicina do Brasil : a farsa pedagógica !

pbl - a farsaNas faculdades e universidades de cursos de medicina que adotam o PBL, as tutorias são os buluartes do PBL, método de aprendizagem baseado em problemas (grupo de 8 alunos em que se discute em cerca de 2 horas, sob a supervisão de um tutor, o qual orienta, instiga e apresenta “problemas clínicos”).

É verdade que alguns tutores não médicos orientam tutorias de temas de medicina, alguns grupos têm alunos de medicina e enfermagem, e outros tutores de tão mudos que ficam, que as tutorias caminham para uma tutorada (neologismo que acabo de criar = tutoria  + tourada da cidade de Madri).

Como qualquer método de ensino, o PBL apresenta muitos altos e baixos [na verdade mais baixos], já que o IDH do Brasil está na 75ª posição, e o ensino fundamental e médio vai de mal a pior, e adotar  PBL no Brasil é um atentando violento ao ensino superior.

Por quê ?

Provém de culturas de outros países como Canadá e Holanda, e lá os  alunos recebem uma educação muito superior à brasileira, e portanto, tem maior capacidade de autonomia e acesso a bibliotecas de excelente qualidade.

As sessões tutoriais são expostas a assuntos diversificados, com alunos muito diferentes e tutores igualmente diferentes.

Fica evidente a falta de balanceamento entre os grupos e o rendimento desigual, dependendo das circunstâncias.

Outra questão envolvendo o PBL na prática é a competição. entre os alunos.

Fica muito mais evidente a motivação competitiva do que o trabalho em equipe.

O tutor menos capacitado intelectualmente e pedagogicamente, ainda que motivado, vai dar conceito satisfatório para quem falar mais, ainda que sem conteúdo algum, ou com informações desatualizadas.

Vale lembrar que o critério de aprovação é subjetivo.

Então falar bem, boa aparência, empatia, um pouco de puxa-saquismo, tudo colabora para sua aprovação.

Depois de mais de 10 anos observando as tutorias do modelo PBL, observa-se que muitos alunos pouco se identificaram com o método, ainda que não falem abertamente nas instituições com medo de represálias e retaliações.

Só irão enfrentar o “sistema PBL” quando forem reprovados, pois caso contrário empurra-se com o abdômen , ou a abdômen-terapia   [neologismo que crio para designar empurrar com a barriga].

O fato é que na maioria das vezes, o ritual de abrir problemas serve apenas para indicar qual capítulo do livro deve ser estudado.

O aluno que estuda recita o capítulo na tutoria, e o que não estudou faz uma síntese do que o outro aluno acabou de falar, e ainda sairá  como sabichão perante o tutor mudo e calado na maior parte das vezes [diríamos 90% das sessões tutoriais]

Somente esse fato já demonstra a farsa do PBL: um aluno estuda, alguns estudam pouco, e outros não estudam, e o tutor não diz nada, pois afirma ser contra o método responder perguntas.

Na falácia do PBL o desempenho é proporcional à fala do aluno, e fica claramente demonstrada a noção de que somente quem estudou fala durante a sessão.

Quem não estudou acena com a cabeça afirmativamente na famigeradas sessões tutoriais.

Se nenhum aluno falar, o tutor não vai fazer nada, e a atividade já está consumada e dada.

Penso que um manequim programado para perguntar seria melhor  que o tutor catatônico.

No PBL há os mesmos problemas que nenhum sistema educacional conseguiu resolver: o foco dos estudantes por avaliações, a fixação pelas provas teóricas, e o conhecimento deletado após a aplicação de avaliações.

O condicionamento pelo PBL é tão significativo que o método de ensino tradicional passa a soar com estranheza para a maioria dos alunos.

Se por um lado, a autonomia do estudante é plena para organizar os próprios estudos, a ausência de professor muitas vezes deixa os estudantes sem referencial teórico e prático.

O Romance Triste fim de Policarmo Quaresma de Lima Barreto se assemelha muito aos defensores ufanistas do PBL como o melhor modelo de ensino do Brasil .

O Major Quaresma não se exauria na obsessão do nacionalismo, e no fanatismo xenófobo, e as suas reações revelavam o entusiasmo do homem ingênuo em  querer adotar o tupi como língua oficial – e ser motivo de chacota de toda a imprensa e dos colegas de repartição .

Major Policarpo redige, distraído, um documento oficial naquela língua e termina, após uma elipse temporal, internado num manicômio.

Enfim…

Se você criticar o modelo PBl logo virá um “Quaresma  Cover” atacá-lo e dizer que você está contra esse “modelo de ensino maravilhoso”.

É insofismável que no primeiro semestre, iludidos com a condição que se é proposta, o aluno faz  tudo com intenso fervor, interessando-se até mesmo por estudar sozinho, sem ajuda, sem aulas, e  nos famosos manequins [alguns até falam em algumas faculdades].

Aulas básicas nem pensar !

Com o passar do tempo, essa condição começa a mudar de sentido.

São diversas informações: siglas estranhas, e sem nexo; infinitos protocolos e diretrizes clínicas.

Percebe-se que aprender sozinho não é o ideal.

Quando o aluno está na semana de calouros se ouve dos ufanistas defensores do PBL:

“O PBL é o sistema de ensino que prioriza o desenvolvimento da competência para solucionar problemas, e criado no intuito de oferecer acesso a conhecimentos mais relevantes, propiciando o treinamento para as habilidades técnicas e socioafetivas, estimulando a adoção de atitudes éticas”.

Esse é o mote quando você entra na faculdade de medicina !

Palavras bonitas, bela poesia no papel, mas que, infelizmente, deixa muito a desejar quando se trata da vida real médica.

As informações médicas são infinitas e diversas.

Novos artigos científicos com novas informações surgem a todo o momento.

Mas, infelizmente, não se compreende muitos deles, já que o básico da escola médica foi tolhido pelo sistema do “aprender na prática”.

O aluno de medicina entra na graduação com o intuito de fazer e aprender “ciência”.

Sairá egresso  destruído fisicamente e mentalmente de horas e mais horas de trabalhos puramente técnicos (grifo meu).

Não se tem apoio de professores e, muitas vezes, nem há professores.

Idolatra-se os poucos que reservam dez minutos do seu precioso tempo para tentar ensinar o que o aluno deveria ter já aprendido.

Paradoxalmente, esquece-se o que é o referencial teórico-didático nas séries do curso de medicina.

Enfim o aluno lê o que acha necessário, não faz conexões da fisiopatologia à terapêutica, entre as disciplinas do curso de medicina, e tudo fica no mar do esquecimento propositalmente engendrado pelo projeto pedagógico da instituição de ensino.

Se o aluno discordar: um ou dois conceitos insatisfatórios, e o aluno ficará refém do coordenador do curso de medicina, e certamente será reprovado, e a sua reprovação servirá de exemplo para que outros alunos não se insurjam contra o PBL.

Triste Fim de Policarpo Quaresma, ou melhor Triste Fim do Ensino Tradicional nas faculdades de medicina do Brasil.

É o fim do ensino superior nas faculdades de medicina do Brasil !

a farsa 2

 

4 opiniões sobre “PBL nas faculdades de medicina do Brasil : a farsa pedagógica !”

  1. Concordo com a crítica de tutores de outras áreas ministrando matérias de medicina, e esses são os que prejudicam e reprovam os alunos

  2. No campus Universitário Professor Antônio Garcia Filho da Universidade Federal de Sergipe, há oito cursos da área de saúde: Medicina, Odontologia, Farmácia, Fonoaudiologia, Enfermagem, Nutrição, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Todos utilizam metodologias ativas, inclusive o PBL, mas não se resume só a ele. Desconhecemos as características do PBL descritas no seu texto. Não é o método perfeito (existe método perfeito?), mas a aprendizagem se dá com muito mais significado. E se perguntarem aos estudantes a partir do segundo ciclo se querem voltar ao ensino tradicional mais de 90% vão responder NÃO.
    Detalhe: na última avaliação do MEC com os estudantes dos segundos e quartos anos do curso de medicina, que avalia o desempenho dos mesmos, os estudantes desse campus ficaram com nota acima da média Nacional, do Nordeste e do estado. Sua opinião não representa a totalidade real de onde se aplica o método no Brasil.
    Concordo que tem muito a melhorar e aperfeiçoar, mas não considero farsa pedagógica, nem de longe!

    Sou pedagoga do campus, conheço a realidade de onde falo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *